Temos um espírito de poder, amor e equilíbrio – (Primeira Parte)

TEXTO: 2TM 1:1-9

Paulo estava escrevendo de Éfeso ao seu discípulo Timoteo.

Progressista, rica e idólatra.

Os valores morais não eram os melhores. Praticavam-se ali torpezas e cultos a diversas divindades, sendo o principal o culto à deusa da fertilidade, a Diana dos efésios.

A cidade ocupava um lugar estratégico para o comércio que, dentre outras coisas, girava em torno da manipulação do ouro.

Havia muitos estudiosos em Éfeso, como filósofos (At 17:18). Os epicureus ensinavam que o prazer é o sumo bem dos homens. Os estoicos, ao contrário, ensinavam que o prazer nunca deve ser o motivo de nossos atos.

NO MEIO DISSO TUDO PAULO DIZ:

Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio. 8 Portanto, não se envergonhe de testemunhar do Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro dele, mas suporte comigo os sofrimentos pelo evangelho, segundo o poder de Deus (V. 7)

COVARDIA –

“Covardia (português brasileiro) ou cobardia (português europeu) é um vício que, convencionalmente, é visto como a corrupção da prudência, oposto a toda coragem ou bravura.

É um comportamento que reflete falta de coragem; medo, timidez, fraqueza de ânimo; ânimo traiçoeiro.

É algo que te força a não tentar, a não lutar por simples medo, por indecisão, por fraqueza.

É deixar de fazer algo, desistir, abandonar pela metade pela falta de confiança em si próprio.

Paulo diz isso porque muitos se acovardavam diante da grande Éfeso.

“Todas as virtudes são coragem; eis porque a palavra covarde é a mais grave das injúrias”.

 

 

O vencedor herdará todas essas bênçãos, e Eu serei seu Deus e ele será meu filho. 8Porém, quanto aos covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que praticam imoralidade sexual, os bruxos e ocultistas, os idólatras e todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago de fogo, que arde perpetuamente em meio ao enxofre. Esta é a segunda morte!” A Nova Jerusalém (Ap 21:7-8).

MAS ELE NOS DEU UM ESPÍRITO DE PODER

Em Joel 2:28 diz ” Acontecerá depois que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos anciãos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões “. Quando Cristo subiu ao Céu, Ele prometeu o Consolador o Espi rito Santo, que narrado em Atos 2:4 o povo ali reunido foram envolvidos e cheios do Poder do Alto. Narrado no livro de Joel 2:28 e cumprido em Atos 2:4.

Ele foi prometido em Joel e se cumpriu em Atos e agora lemos em 2 Timóteo 1:7. Infelizmente o retrato do mundo hoje é de temor, falta de amor e moderação.

O “poder” não se refere ao poder de realizar milagres, mas à coragem espiritual e moral.

PODER PARA VENCER AS AFRONTAS DO DIABO

  • Senão viveremos caídos diante da tentação;

PODER PARA VENCERMOS AS AFRONTAS DAS PESSOAS

  • Senão diante da traição nos desmoronamos e nunca mais nos erguemos;
  • Diante de uma decepção retrocederemos sempre;
  • Diante do abandono paramos;

PODER PARA CONQUISTAR

  • Conquistar minha família; emprego; estudos; ministérios.
  • Para destruir todas as artimanhas do maligno (destruir NÃO as pessoas)

PODER PARA PREGAÇÃO DO EVANGELHO

  • Só prega quem tem o revestimento do poder.
  • A pregação é a porta para transformação da vida.
  1. L. MOODY disse: Ele disse: “Não há necessidade de parar de trabalhar para esperar por este revestimento de poder, mas não se dê por satisfeito até consegui-lo. Faça disto o clamor do seu coração de dia e de noite. Jovens, vocês conseguirão tal bênção quando a buscarem acima de tudo mais.

Ele teve uma experiência com o poder.

“Foi no outono de 1871. Anteriormente, eu ficava muito ansioso para ter uma Escola Dominical numerosa e uma congregação grande, mas havia poucas conversões. Eu me lembro que eu costumava me orgulhar por ter a maior congregação em Chicago aos domingos à noite. Duas servas de Deus vinham ouvir-me. Uma delas veio até mim uma noite, depois de eu haver pregado muito satisfatoriamente, conforme eu pensava. Eu imaginei que ela iria me cumprimentar pelo meu sucesso.

“Mas ela disse: ‘Nós estamos orando por você.’ Eu me perguntei se eu havia dito algo errado para que ela falasse daquele modo.

No domingo seguinte elas estavam lá novamente e claramente oravam enquanto eu pregava. Uma delas me disse: ‘Continuamos orando por você.’

“Eu não podia entender e disse: ‘Orando por mim? Por que vocês não oram pelas outras pessoas? Eu estou bem.’

“‘Ah,’ elas disseram, ‘você não está bem, você não tem poder. Há algo faltando, mas Deus pode qualificar você.’

Eu não gostei disto a princípio mas voltei a refletir sobre isto e depois de algum tempo comecei a sentir um desejo de possuir aquilo pelo qual elas oravam.

“Elas continuaram a orar por mim e o resultado foi que ao fim de três meses, Deus enviou esta bênção para mim. Quero lhes dizer que eu não voltaria agora para onde eu estava antes desta experiência abençoada mesmo se me dessem o mundo – não valeria nem a poeira da balança!
Desde então eu nunca perdi a certeza de que estou em comunhão com Deus e tenho tanto gozo na Sua obra que isto me sustenta e toma tudo muito fácil.”